Tudo sobre intercâmbio, viagens, cultura e idiomas pela EF Education First.
Menu

Qual a idade ideal para o aprendizado de idiomas?

Qual

Embora nossa compreensão do aprendizado de idiomas esteja em constante evolução, os mitos persistentes sobre as crianças serem muito superiores em buscá-las são abundantes, colocando outras pessoas fora do desafio. Mas a verdade é que todos podem – e devem – aprender um novo idioma, independentemente da idade. Aqui está o porquê.

Como aprendemos

O aprendizado de idiomas é uma função essencial do cérebro que nos permite entender o mundo. Sem exposição à linguagem na primeira infância, crescemos com uma capacidade muito limitada de navegar nela. Histórias de crianças abandonadas demonstraram tragicamente a importância da exposição precoce e o preço que pagamos se formos privados de idiomas nos primeiros anos.

Mas os bebês são, de fato, conectados a escutar e imitar os idiomas que ouvem antes do nascimento, e estudos mostraram que, mesmo sem palavras, os bebês choram e se comunicam ‘com sotaque’. A capacidade de falar na língua materna baseia-se nessa base profunda – e a capacidade de se expressar progride a um ritmo surpreendentemente rápido nos primeiros anos de vida.

As crianças adquirem habilidades de linguagem por meio de um processo que os cientistas chamam de “aprendizado implícito”: absorvendo e imitando o que ouvem. Eles estão simplesmente focados em adquirir os meios para comunicar o que desejam da maneira mais eficaz possível.

Eles não pensam no aprendizado de idiomas – eles simplesmente o fazem!

Por que aprendemos

As crianças também estão preparadas para aprender um idioma rapidamente, a fim de sobreviver e prosperar – tanto em casa quanto em um ambiente social mais amplo. Embora possam receber instruções no idioma que estão usando, eles permanecem aprendizes fundamentalmente não estruturados, imersos no idioma e aprendendo através de um processo contínuo e confuso de tentativa e erro.

Crianças bilíngues ou multilíngues são capazes de navegar em vários idiomas sem esforço, configurando-os (e seus cérebros!) para uma série de benefícios ao longo da vida.

Porém, quando se trata de idiomas, o aprendizado nunca acaba realmente e, de muitas maneiras, nosso desejo de expandir nossos horizontes linguísticos só cresce à medida que envelhecemos.

No que diz respeito à nossa língua nativa, somos, de fato, aprendizes naturais ao longo da vida. Um dos maiores estudos de aprendizado de idiomas já realizado recentemente concluiu que pode levar até 30 anos para ser dominado. E ao longo de nossas vidas, adicionamos palavras, aprendemos novas expressões e captamos novas gírias; evoluímos com a linguagem em que nascemos, desenvolvendo uma capacidade mais sofisticada e diferenciada de nos expressar no processo.

Em um mundo cada vez mais conectado, também somos estimulados a aprender novos idiomas, a fim de participar de discussões globais, consumir mídia global, comercializar ou trabalhar internacionalmente e desenvolver relacionamentos e amizades que atravessam fronteiras. Sem aprender um idioma global como o inglês ou o espanhol, por exemplo, podemos nos sentir isolados do mundo no sentido mais literal.

Então, por que – apesar de nosso desejo inato e necessidade de expandir nossos horizontes linguísticos – tantas vezes hesitamos em aceitar o desafio?

Sair da cabeça – e entrar no mundo

É comum ouvir adultos, mesmo jovens, dizerem que são velhos demais para aprender um novo idioma e que é muito difícil. E muitos – apesar de não quererem admitir – hesitam porque não se sentem confortáveis em cometer erros na frente dos outros

Mas aprender um novo idioma é realmente mais difícil à medida que envelhecemos?

Embora um grande e recente estudo realizado no MIT tenha concluído que certos aspectos da fluência estão ligados à exposição na infância – uma compreensão perfeita de regras específicas da gramática inglesa, por exemplo -, há poucas provas de que adolescentes e adultos sejam menos eficazes no aprendizado de idiomas do que crianças menores, especialmente se o objetivo não for fluência no nível nativo.

Alguns estudos, incluindo um estudo de falantes bilíngues de espanhol e catalão que aprendem inglês, mostraram até que os adultos aprendem mais rápido que as crianças.

Nossa extensa pesquisa também mostra que adultos – mesmo iniciantes – podem progredir rapidamente, principalmente se aprenderem imersivamente. Joshua Hartshorne, professor assistente de psicologia no Boston College e principal autor do estudo do MIT, confirma isso, argumentando que “eu aprenderia em um ambiente de imersão. A imersão tem um efeito enorme em nossos dados – grandes, mesmo em relação a diferenças bastante grandes na idade. ”

A imersão funciona porque torna o aprendizado natural, necessário, contínuo e divertido.

Mas há uma vantagem adicional que os alunos adultos têm: uma abordagem estruturada para a própria aprendizagem.

Estrutura de procura

Na escola, descobrimos o que funciona para nós como alunos. Enquanto alguns de nós aprendem ouvindo, outros precisam escrever e memorizar regras e fórmulas. Quando nos tornamos jovens, aprendemos a aprender.

Essa abordagem mais estruturada é profundamente valiosa ao aprender um novo idioma, precisamente porque os idiomas são muito estruturados por natureza.

A atenção também é importante. Com mais estrutura, vem mais foco e atenção que as crianças simplesmente não têm. Antonella Sorace, professora de linguística do desenvolvimento e diretora do Bilingualism Matters Centre da Universidade de Edimburgo, rotula ‘aprendizado explícito’ em contraste com a maneira mais implícita que as crianças aprendem

Abraçando nossos objetivos

À medida que envelhecemos, nossos objetivos em termos de estudos e carreiras se tornam mais claros e podem ajudar a motivar-nos ainda mais. Podemos, por exemplo, ser motivados a aprender francês porque queremos nos tornar diplomatas, nos tornar fluentes em inglês para termos uma carreira internacional, ou para conversar em coreano porque amamos o K-pop.

Em outras palavras, o “por que” se torna um fator tão poderoso em nosso sucesso quanto o “como”.

As conexões sociais contribuem para isso. Assim como as crianças, é provável que os adultos aprendam um novo idioma mais rapidamente se puderem se relacionar com outros alunos e usar suas novas habilidades em contextos sociais que lhes tragam alegria.

Mas, como em qualquer jornada, aprender um idioma é mais fácil se soubermos para onde estamos indo.

Evitando a armadilha da fluência

O objetivo final de aprender um novo idioma deve ser fluente? Tornar-se totalmente fluente em um novo idioma é difícil. E isso leva tempo. Embora algumas línguas sejam mais difíceis de aprender do que outras – o inglês é relativamente fácil, por exemplo – alcançar a fluência é uma função do esforço e da exposição sustentados, mesmo para crianças que o fazem menos conscientemente.

No entanto, se fixar na fluência pode ser desmotivador. Embora seja uma meta válida a longo prazo para muitos, é muito melhor – e mais produtivo – determinar metas mais definidas e realistas para a aprendizagem; ser capaz de ler e entender o idioma com facilidade, por exemplo, ou simplesmente sentir-se confiante em se comunicar em situações cotidianas ou com novos amigos.

E embora ter objetivos tangíveis seja crucial para o sucesso de qualquer aluno, ver como o aprendizado de um idioma nos beneficia em um sentido mais amplo pode ajudar a nos motivar ainda mais.

Entendendo a história maior

O aprendizado de idiomas não acontece no vácuo. Estudos demonstraram que mergulhar em uma nova cultura e nos conectar com pessoas através de fronteiras e limites culturais pode nos tornar mais criativos.

Aprender um novo idioma e tornar-se confortável alternando entre idiomas também pode nos ajudar a alternar entre perspectivas e diferentes maneiras de ver o mundo, tornando-nos mais empáticos e aceitando os outros.

Falar mais idiomas também pode nos ajudar a nos sentir mais conectados com os outros e, ao nos permitir viajar mais, pode aumentar a confiança, como mostram vários estudos realizados em todo o mundo.

No nível mais fundamental, o aprendizado de idiomas nos permite comunicar e nos conectar com outras pessoas e perceber que estamos juntos nisso. E apesar do que a sabedoria recebida nos diz – nunca houve um limite de idade para isso.

Seja fluente em um idioma com a EFSaiba Mais

Aprenda um dos 12 idiomas em mais de 50 destinos

Saiba mais