Tudo sobre intercâmbio, viagens, cultura e idiomas pela EF Education First.
Menu

Qual é o nível de inglês do Brasil em 2020?

Qual é o nível de inglês do Brasil em 2020?

O nível de inglês é importante não apenas para uma carreira de sucesso ou para um futuro global e conectado. Ele também é importante quando avaliado em âmbito nacional, pois diz muito sobre a competitividade econômica e as perspectivas do futuro de um país.

Na décima edição do EF EPI, publicada hoje e com análises feitas com base nos dados de testes de 2,2 milhões de pessoas, é possível avaliar a posição de todos os países participantes, inclusive do Brasil, que foram classificados de acordo com seu nível de proficiência em inglês – que varia de muito alto a muito baixo.

Destaques do EF EPI 2020:

  • O Brasil se mantém na classificação de proficiência baixa, mas, agora, subiu para o 53º lugar.
  • A proficiência em Inglês está melhorando no geral. No mundo, a média ponderada da população permaneceu estável, mas 26 países tiveram ganhos significantes nos seus resultados, enquanto apenas sete declinaram significativamente.
  • Os níveis de proficiência em inglês aumentaram na União Europeia, com a França melhorando pelo terceiro ano consecutivo, enquanto que Espanha e Itália continuam um pouco atrás.
  • Os níveis de proficiência na Ásia declinaram levemente e continuou mostrando altos níveis de variação entre países. Enquanto que a China tem melhorado constantemente, quase metade das nações asiáticas viram seus resultados caírem neste ano.
  • Os níveis de proficiência na América Latina estão crescendo, com 12 dos 19 países melhorar seus resultados, em parte graças aos investimentos significantes em treinamento de professores.
  • Os níveis de proficiência na África melhoraram em alguns países, enquanto que declinou em outros. No geral, a variação do Inglês entre os países africanos continua alta.
  • Os níveis de proficiência no Oriente Médio aprimoraram levemente graças aos esforços do governo, ainda que a região tenha o menor nível de proficiência comparado com outras regiões.

Nível de inglês x Competitividade

Os resultados também revelaram correlações esclarecedoras entre os níveis de inglês e maior conectividade, níveis mais elevados de inovação, níveis mais elevados de adoção de tecnologia e até mesmo abertura e justiça social e política.

A nível individual, as seguintes descobertas também se destacaram:

  • Jovens adultos, entre 26-30 anos, falam Inglês melhor, seguido daqueles entre 21-25. Ambos refletem na evolução da proeminência do Inglês em uma série de situações que os jovens enfrentam, desde o ensino de Inglês nas universidades até a disponibilidade da prática de inglês no ambiente de trabalho em uma série de funçõesde nível junior.
  • Os homens estão alcançando as mulheres no quesito nível de Inglês, aprimorando seus resultados comparado ao ano anterior e ultrapassando as mulheres na Europa e América Latina.
  • Gerentes falam Inglês melhor do que os outros funcionários ou executivos (e muitas vezes mais velhos), destacando assim a necessidade de dar atenção aos níveis de inglês em todas as funções a fim de aprimorar individualmente e corporativamente as perspectivas em um mundo cada vez mais competitivo.

Embora essas correlações sozinhas não constituam uma análise completa do quadro socioeconômico dos países, elas apontam algo muito importante: altos níveis de proficiência em inglês são parte integrante de um futuro próspero, conectado e saudável, não importa onde você esteja no mundo.

Eles também ressaltam a importância crítica de habilidades que tornam indivíduos, empresas e sociedades mais conectados e adaptáveis em face das mudanças tecnológicas.

Para classificações e análises completas da relação entre as habilidades de inglês do Brasil e sua economia, nível de inovação, conectividade, taxa de natalidade e expectativa de vida, acesse: www.ef.com.br/epi/.

Quer contribuir no ranking brasileiro no EF EPI?Teste seu Inglês

Compartilhe esse artigo

Artigos recentes de Idiomas