Ásia

Média no EF EPI: 492 Population: 4.601.371.198 PIB per capita: $12,368.79

Espaço significativo para melhorias

Durante décadas, a Ásia tem sido a oficina do mundo, impulsionando o desenvolvimento econômico por toda a região. Porém, uma transição do crescimento impulsionado pela manufatura para o crescimento impulsionado pelo conhecimento exigirá um melhor domínio da língua inglesa.

Apesar do alto investimento no ensino da língua inglesa tanto no setor privado quanto no público, a pontuação média de proficiência na Ásia permaneceu estável nos últimos cinco anos. Essa média, porém, mascara uma diversidade substancial: a Ásia é a região com o índice de proficiência em inglês mais variável. Este ano, na média regional ponderada entre a população, a crescente proficiência da China foi um contrapeso para o declínio apresentado na maioria dos outros países da região.

Transformando o ensino do inglês

Quarenta anos após a China ter se aberto para investimentos estrangeiros e negócios privados, a transformação do país tem sido notável. Dois terços do declínio mundial da pobreza desde 1990 ocorreram na China. Desde 2000, o foco do país mudou para o desenvolvimento de uma comunidade científica de nível internacional e o cultivo do poder brando no exterior. O reconhecimento da proficiência em inglês é fundamental para alcançar esses objetivos. A China expandiu o ensino do idioma para escolas em todo o país, passou do ensino impulsionado pela memorização para o ensino impulsionado pela comunicação, reformulou a ferramenta nacional de avaliação, incentivou talentos chineses estrangeiros a voltar para casa e investiu na transformação de suas principais universidades em instituições de pesquisa de nível internacional com publicações nos principais periódicos escritos em inglês. Poucos líderes políticos são capazes de exercer esse tipo de planejamento e controle a longo prazo sobre seus países, mas os pilares da estratégia da China oferecem um modelo replicável de como a reforma política e o investimento direcionado podem elevar o nível de proficiência em inglês de um país.

10° entre 100 países ou regiões Singapura

Proficiência: Muito alta
Pontuação EF EPI: 611,00

Ver perfil
38° entre 100 países ou regiões China

Proficiência: Moderada
Pontuação EF EPI: 520,00

Ver perfil
55° entre 100 países ou regiões Japão

Proficiência: Baixa
Pontuação EF EPI: 487,00

Ver perfil

Não apenas para crianças

As populações de alguns dos maiores países da Ásia estão envelhecendo rapidamente. No Japão, por exemplo, 28% da população tem mais de 65 anos. Este fator tem levado o governo japonês a incentivar os idosos a se aposentarem mais tarde. No entanto, para que esses funcionários experientes continuem sendo produtivos em um mercado de trabalho repleto de mudanças rápidas e constantes, suas carreiras mais longas precisam ser sustentadas por uma maior oferta de ensino para adultos, incluindo treinamentos em inglês. Essa é uma necessidade de extrema urgência no Japão, onde os níveis de proficiência neste idioma têm permanecido estagnados, assim como a economia do país, fazendo com que comércio global seja atraído por outros países da Ásia.

Até mesmo os países mais ricos da Ásia ficam atrás da Europa no financiamento da educação para adultos fora do local de trabalho. Esse descuido de financiamento é insustentável. Com uma força de trabalho envelhecida e uma tolerância limitada para a imigração, países como o Japão e a Coréia do Sul precisam incentivar a aquisição de qualificação adicional entre aqueles que já estão no mercado de trabalho. Os benefícios não são apenas profissionais. A pesquisa sugere que a aprendizagem por toda a vida é uma medida de proteção contra a demência.

Zonas de oportunidade

A proficiência em inglês na Ásia Central é acentuadamente mais baixa que no restante da região, em parte porque o russo é a segunda língua mais comumente ensinada nas escolas. A região, no entanto, está começando a girar mais em direção ao comércio internacional, inclusive com parceiros fora da órbita das repúblicas pós-soviéticas. O Cazaquistão, em especial, vem aumentando seu envolvimento com a China por meio de projetos de grande visibilidade, como a Nova Ponte Eurasiática da Iniciativa do Cinturão e Rota. Em 2018, o Presidente Nursultan Nazarbayev anunciou que acordos para 51 projetos chineses/cazaques haviam sido assinados e que 1.200 empresas conjuntas já estavam em operação. À medida que a Ásia Central continuar se abrindo para o comércio global, ela sentirá uma necessidade mais urgente de falantes da língua inglesa.

No Camboja, na Tailândia e no Sri Lanka, a falta de proficiência em inglês dificulta o acesso a empregos no setor do turismo, o que representa pelo menos 10% da economia. Com salários comparativamente baixos e belas paisagens, esses países já atraem mais de 38 milhões de visitantes por ano. Esses visitantes concentram-se principalmente em áreas de resort. Para distribuir a riqueza de forma mais uniforme entre diferentes regiões e abrir vagas no turismo para mais pessoas que precisam delas, as escolas precisarão fazer um trabalho melhor para ensinar inglês a todos os alunos.

Os sistemas de ensino na Índia e no Paquistão enfrentam desafios estruturais muito além do ensino do inglês. Uma em cada 13 crianças fora da escola no mundo vive no Paquistão. Um estudo recente na Índia constatou que apenas 27% dos alunos do terceiro ano eram capazes de fazer uma subtração de dois dígitos, enquanto 38% não conseguiam ler palavras simples. O fato de tantas escolas em ambos os países usarem o inglês como idioma de ensino, embora a maioria dos alunos não fale esse idioma, só piora a situação. Entre outras reformas, as autoridades desses países precisam oferecer mais instrução aos alunos em suas línguas nativas—uma política que realmente ajuda o aprendizado do inglês a longo prazo, juntamente com a compreensão de assuntos essenciais.

As economias asiáticas verificaram um crescimento econômico extraordinário nas últimas décadas, guiado por líderes que forjaram conexões globais e construíram empresas multinacionais robustas. À medida que os países asiáticos procuram expandir-se para indústrias baseadas em serviços e conhecimento e à medida que a crescente classe média da região clama por mais oportunidades, será essencial oferecer níveis de ensino de inglês de alta qualidade a um segmento mais amplo da população. Em muitos casos, isso significa melhorar o ensino da língua inglesa nas escolas. Em alguns contextos, o ensino para adultos é quase de igual importância.

Diferença Entre Homens e Mulheres (%)

Diferença Entre Gerações

  • Média

Leia sobre outras regiões

Europa

O domínio da língua inglesa continua ficando para trás nos países às margem do continente europeu.

Ver perfil

América Latina

Depois de anos de estagnação, os planos para melhorar a proficiência em inglês estão finalmente ganhando força na América Latina.

Ver perfil

África

Na última década, tem sido verificada uma onda de investimento estrangeiro em projetos de infraestrutura e negócios na África. Uma melhor proficiência em inglês poderia fortalecer essas colaborações internacionais.

Ver perfil

Oriente Médio

Em alguns países, o problema parece ser o acesso desigual aos recursos educacionais em inglês.

Ver perfil