A Língua Inglesa e a Economia

Uma língua franca reduz os custos de transação através das fronteiras. Quanto mais amplamente adotada for a língua inglesa, mais economias ela será capaz de gerar. Embora haja evidências de que o ritmo da globalização esteja diminuindo, o comércio internacional representa uma parcela significativa da economia mundial, com as exportações correspondendo a cerca de 20% da produção econômica mundial. Encontramos consistentemente uma correlação entre a facilidade de se fazer negócios e a proficiência em inglês de um país, e também entre o domínio da língua e uma série de indicadores relacionados à logística.

Desenvolvimento do capital humano

Para as economias de todo o mundo, a maior proficiência em inglês está correlacionada a um produto interno bruto mais alto, maior renda líquida e melhor produtividade (Gráfico C). Para sermos mais claros, não há evidências de que a proficiência em inglês impulsione esse sucesso econômico. Porém, a complexa relação entre habilidades linguísticas e crescimento econômico—om a maior riqueza facilitando mais o aprendizado do inglês, e com o domínio da língua inglesa ajudando as economias a permanecerem competitivas—destaca o papel que a língua inglesa pode desempenhar em esquemas mais amplos de crescimento econômico.

Nos países em desenvolvimento, a transição para uma economia baseada no conhecimento requer o desenvolvimento de infraestrutura e uma força de trabalho qualificada que seja capaz de oferecer serviços no âmbito internacional. Nos últimos 30 anos, muitas economias emergentes fecharam a lacuna com países mais ricos graças à manufatura. Quando essas oportunidades se esgotarem, elas precisarão se concentrar mais na educação, tanto para crianças quanto para adultos, se quiserem aproveitar as oportunidades de comércio internacional e desenvolver indústrias do setor de serviços. Encontramos uma correlação entre o nível de desenvolvimento de capital humano de um país e sua proficiência em inglês (Gráfico D).

Serviços de longe

Os serviços representam uma parcela crescente das atividades globais econômicas, mas são mais difíceis de exportar do que mercadorias. iPhones podem ser enviados para qualquer lugar; mas contadores não. Existe uma correlação entre a proficiência em inglês e as exportações de serviços de um país, bem como o valor agregado por trabalhador no setor de serviços. À medida que a complexidade e a sofisticação dos intercâmbios econômicos aumentam, a demanda por competências linguísticas também mostra sinais de crescimento. Um número cada vez maior de programas de MBA exige fluência em inglês e em um segundo idioma, e, às vezes, até mesmo em um terceiro.

Confie em mim, eu falo inglês

Falar a mesma língua que um parceiro de negócios não é só uma necessidade técnica, mas também a base para a construção de confiança. Essa confiança é refletida nos dados: o economista Pankaj Ghemawat estima que países que compartilham um idioma comercializam 42% mais entre si do que fariam sem esse idioma em comum. Embora a tecnologia e a inteligência artificial ajudem cada vez mais em traduções de rotina, estamos muito longe de um mecanismo de linguagem que possa compreender as nuances culturais que os humanos costumam usar na comunicação cotidiana.

Longe do ambiente de negócios somente em inglês criticado pelos protecionistas linguísticos, as multinacionais de hoje se envolvem com um cenário linguístico bastante diversificado. É verdade que há uma tendência para o uso do inglês como o modo mais rápido e mais barato de comunicação entre os falantes de diferentes idiomas, mas o investimento em outros idiomas também é alto. De acordo com as agências nacionais de promoção de idiomas, pelo menos 150 milhões de pessoas estão atualmente estudando francês, espanhol ou chinês como línguas estrangeiras. Há uma enorme confiança a ser conquistada com o aprendizado dos idiomas nativos de seus parceiros.

Gráfico C: O Inglês e a Produtividade

Produtividade da mão-de-obra (em USD, por hora trabalhada) Pontuação EF EPI Fonte: Cato Institute, 2017

Gráfico D: O Inglês e o Capital Humano

Índice de desenvolvimento do capital humano Pontuação EF EPI Fonte: Banco Mundial, 2018

O inglês compensa

Descobrimos uma correlação consistentemente positiva entre a proficiência em inglês e uma série de indicadores de desenvolvimento humano e econômico, incluindo a renda líquida ajustada per capita.

Pontuação EF EPI Fonte: Banco Mundial, 2017